quarta-feira, 24 de agosto de 2011

ESPERANÇA

O que encerra em su'alma?
Saudades, lembranças
Apegos de outras eras
Outras vidas sem esperas

Mas sem esperar não há liberdade
Esperanças do que não foi dito
Esperanças com autenticidade
Esperanças do que não foi vivido...

Esperar por outros olhares
Esperar por outras vontades
Esperar por outros lugares
Ainda não vividos
Ainda não sentidos

O que pode suceder
Esperar, aquietar
Esperar, silenciar
Esperar sem nada temer

Virtude humana, essa esperança
Ligação direta com o Divino
Saber confiar no que está por vir
Sem medo algum de agir

Aprendizado que traz calor
Aquece os sentimentos e sentidos
Enche o peito com torpor
Agora é o esperado

Traz vivacidade num olhar
Expressando o sonho
Liberta a língua a desabrochar
E a Esperança faz-se verbo

Humanidade consciente
Sempre espera o melhor
Sem ficar hesitante
Em uma, várias Vidas
Sem titubear, apenas esperar

Esperar por outros olhares
Esperar por outras vontades
Esperar por outros lugares
Ainda não vividos
Ainda não sentidos






4 comentários:

  1. "Esperar é reconhecer-se incompleto"...Guimarães Rosa

    Mto bom Mari, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. É a última que morre, pois vive sempre conosco.
    Lindas palavras!

    ResponderExcluir