quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

REFLEXOS DA ALMA

Limpeza de alma, distância, dor, interiorização, estranhamento.
A cura vem, com o bom amigo Tempo, com o Amor dos amigos, com o calor dos parentes, entes amados. Sensibilidade natural e inerente a um Ser que sente! Muito! Amor e Paz!

Aceitação; aceitar-se, perdoar-se, compreender-se, olhar-se com olhos de AMOR.
Transmutar-se, derramar-se em águas de lavar a alma...
Sentir-se merecedor de tudo melhor, tudo maior!
Liberdade de ser tudo o que se possa ser; em dor, em cor, em flor, coração!

Sentir-se plena, livre, com toda a segurança de sua rara alma!
Escolha consciente, quando o seu inconsciente te trai... Sua opção, sua Verdade, sua bondade consigo próprio. Erguer-se não é uma opção, é uma condição!
Muito, muito, muito AMOR!

Levantar e sentir-se menos prisioneira de si, do mundo, dos outros. Sua essência flui livremente quando há o Amor, o Perdão. Libertando-se de qualquer Razão, motivo que não motiva, que enfraquece, que separa, desconecta...
Sua Alma é livre, independente da consciência que se tenha a respeito, do desafeto, da vã tentativa do desapego. Novamente o Amor!

Transbordar de almas, tranquilidade, espontaneidades.
Transbordar em pensamentos, liberdade, receptividade.
Transbordar sua essência, definir-se, transmutar-se.
Transbordar em Vida, abundante, plena.

domingo, 21 de novembro de 2010

PALESTRA CROMOTERAPIA


INTRODUÇÃO

Para começarmos a entender a função das cores em nossas vidas, precisamos primeiramente perceber o universo que nos cerca. Um universo pulsante, que vibra e possui movimento incessante.

Se observarmos o espaço físico em que nos encontramos, a primeira noção que temos é de que ele está parado ou em movimento? A primeira noção básica. Qual é?

Sim, ele está parado, mas esta é uma sensação ilusória. Temos o assentamento do solo, a projeção dos ventos; mas vamos além disso: estamos vivendo em uma grande espaçonave-mãe chamada Terra, que se movimenta girando em torno de si mesma – rotação – e em torno da nossa estrela o Sol – translação. É muito movimento e sabemos que todo movimento gera vibração, ondas.

Ondas como aquelas que observamos ao jogarmos uma pedra em um lago de águas calmas. Ao atingir a superfície da água, o impacto causado pela ação vai gerar vibrações que gerarão ondas, que propagarão por certa extensão.

Preste atenção: se um prédio, feito de concreto, aço, vergalhões e tijolos vibra, imagine os seres vivos: eu, você, os animais, as plantas, a vibração de nossos lares, lugares! Tudo em constante e incessante movimento.

Também não podemos compreender ondas e vibrações sem falarmos de ENERGIA (E=mc²). Tudo é gerado e mantido por formas de energia. A energia da vida. Podemos observar em nossa natureza, em nosso Universo e em nossos corpos a forma espiralar de energia.

Observe como ela faz parte intrínseca em nossa realidade: a forma como a força eólica toma proporção e velocidade, as águas girando até mesmo em nossas pias; nas conchas do mar, em plantas, em nosso DNA e até em nossas digitais. São apenas algumas ilustrações para percebermos essa realidade que vivemos.

video

Em nossos corpos não é diferente, em termos de vibração. Essa forma energética está em nós como vibração e onda também. Existem certos pontos de entrada e saída de energia, chamado Vórtices Energéticos, conhecido na Índia como Chákras. Possuem forma e aspecto de pequenos furacões, que giram em pontos determinados do nosso corpo. Podem ser medidos por alguns aparelhos radiestésicos, como dual Road, pêndulos e auromitter. Vou ilustrar os setes principais pontos de troca energética em nossos corpos:







quinta-feira, 4 de novembro de 2010

DESAPEGO

Desapego, amor liberto sem a espera do retorno. Tornar-se livre no indefinido infinito de cada alma. Ser, ser puramente a expressão do amor em cada respiração contida, sufocada pelo querer do ter. O segredo de uma alma liberta, amor que transcende a carne, liberando a matéria do sufoco, do desejo, do estar sem ser.

Uma singela homenagem a Milton Grigoletti, que Deus o abençoe, sempre. Vá em paz querido!